Mapping de cílios: aprenda como fazer essa etapa fundamental do alongamento de cílios

Uma lash designer precisa conhecer os vários tipos de alongamento de cílios. Mas o mais interessante é que uma mesma técnica pode trazer diferentes resultados — é só saber equilibrar quantidade e tamanho dos fios por cada trecho dos cílios naturais. É para isso que serve o mapping de cílios.

Quer deixar a sua criatividade fluir e, ao mesmo tempo, não demorar tempo demais em um mesmo olho? A expert Mariana Bachi trouxe uma série de dicas sobre o que é e como fazer seu mapping de cílios. Olha só:

O que é mapping de cílios?

O mapping ou mapeamento de cílios é exatamente o que o nome indica: um “mapa” que a designer utiliza para saber o formato de alongamento que fará. Ele funciona como um guia e facilita tanto a montagem do alongamento quanto o tempo que você vai utilizar em cada fase.

Adiante vamos te contar tudo que você precisa de saber. E, se você é da turma que prefere o conteúdo em vídeo, é só dar play aqui embaixo e conferir as dicas da nossa expert!

Quais os principais tipos de mapping de cílios?

Quando a designer começa a trabalhar com mapping, percebe que há diversos estilos — ela mesma pode criar os próprios! Há mappings inspirados até mesmo no olhar das Kardashians. É só procurar pela internet que você vai encontrar modelos de todos os formatos imagináveis.

Não há um padrão no mapeamento. Mas, segundo Mariana, os principais tipos-base de mapping de cílios são:

  • boneca: estilo mais arredondado e curvado de cílios. Deixa os olhos bem abertos;
  • esquilo: é o estilo entre o gatinho e o boneca;
  • gatinho: deixa os olhos mais puxados.

Conhecendo esses três, fica mais fácil investir em outros formatos e até criar os seus.

Quais estilos de mapping de cílios usar em cada tipo de olho?

  • olhos caídos: evite mapping de gatinho e opte por boneca ou esquilo;
  • olhos orientais: no geral, quem tem olhos puxados gosta de “abrir” o olhar. Portanto, opte pelos estilos boneca ou esquilo. Mas se a cliente deseja apenas aumentar os cílos, mas acompanhando o formato dos olhos, não há problema algum em usar o mapping gatinho;
  • olhos amendoados: costumam ser mais redondos. Portanto, evite o mapping boneca, que poderá dar a impressão de olhos arregalados. Prefira esquilo ou gatinho;
  • olhos fundos: evite cílios muito curvados, que podem entrar no côncavo entre a pálpebra fixa e a móvel. Opte por curvaturas menos acentuadas;
  • olhos arregalados: o mapping boneca vai ressaltar ainda mais sua característica, dando a impressão de ainda mais abertos. O melhor é optar pelos estilos gatinho e esquilo.

Como fazer o mapping de cílios?

Antes de criar o próprio mapping, é preciso saber sua base. Quando tiver domínio sobre ela, você terá liberdade para deixar a criatividade fluir.

No mapping ensinado por Mariana Bachi, há duas etapas importantes: a divisão e a especificação do tempo. Vamos conhecer com mais detalhes.

Divisão

Todo mapping tem divisões. É por meio delas que a designer saberá onde vai encaixar cada tipo de cílio ou fan (grupo de cílios). Para fazer o seu, comece assim:

  • pegue o adesivo pad patch e marque o início (canto interno) e o fim (externo) do alongamento, de acordo com o olho da cliente. Agora que você tem um espaço delimitado, divida-o ao meio com um traço. Por fim, divida cada metade ao meio. Você terá os quatro quadrantes para trabalhar;
  • não se apegue apenas a essas divisões — elas são a base. Se preferir, pode dividir ainda mais para facilitar o seu trabalho. Quanto mais números de cílios você colocar (começando sempre pelo menor possível), mais bonito o alongamento vai ficar!

Especificação do tempo

Um grande problema de quem está começando é o tempo. Se a profissional não tomar cuidado, pode ficar horas apenas no mesmo olho! Então, como controlar o tempo e, ao mesmo tempo, fazer um trabalho incrível?

Mariana Bachini recomenda que você anote os minutos que vai demorar em cada quadrante no mapping de cílios. A especialista estipula 15 minutos para cada extremo e 10 minutos para cada quadrante do meio, pois a região central costuma ser mais fácil. Assim, você demora 50 minutos em cada olho. É o tempo ideal para fazer o trabalho com qualidade e sem correria.

Quem está começando, claro, vai demorar mais tempo, mas essa especificação ajuda a manter o controle sem prejudicar a qualidade do trabalho. Nesse tempo especificado, coloque o máximo de cílios que puder. Quando pegar a prática, notará que as extensões ficarão muito mais cheias.

Na hora de especificar o tempo de procedimento, diga a cliente que demorará 2 horas. Seguindo os minutos certinhos, você vai aproveitar as horas de trabalho com mais qualidade.

Quem escolhe o mapping de cílios que será utilizado na cliente?

Embora a designer saiba quais os tipos de mapping mais indicados para o formato de olho da cliente, essa decisão deve ser conjunta. Afinal, de nada adianta a profissional escolher e a cliente não gostar.

Na hora da escolha, oriente a cliente sobre os formatos e o resultado que cada escolha proporcionará. Dê sugestões sobre mappings que deixarão os olhos mais abertos e levantados. Mas se a cliente tem olhos redondos e querem o formato gatinho de qualquer maneira, tudo bem. O importante é explicar que o resultado pode não ser o mais indicado.

Bônus: o que é ficha de anamnese?

É uma ficha de avaliação em que são anotadas todas as informações importantes tanto sobre a profissional quanto para a cliente. É um tipo de contrato, um documento obrigatório em Lei para proteger ambas caso ocorra algum problema durante o procedimento.

Na ficha de anamnese, a designer vai anotar qualquer tipo de alergia, dermatite ou problema de saúde que possa ser estimulado pelo uso dos produtos em um alongamento de cílios, lash lifting ou micropigmentação de sobrancelhas. Além disso, ela vai autorizar ou não o uso da imagem nas redes sociais, site e portfólio da profissional.

Pense no seguinte: você vai fazer uma extensão de cílios e quer utilizar a imagem da cliente para divulgar sue trabalho nas redes sociais. Ela diz que sim mas, depois de ver a foto no seu Instagram, reclama que não autorizou. Com a anamnese, ela precisa responder se aceita ou não que a publicação seja feita e, por isso, você pode provar que está com a razão.

Resumidamente, anamnese é:

  • o que ampara legalmente a lash designer;
  • o seu “contrato” com a cliente;
  • na ficha, a cliente deve fornecer todas as informações e assinar confirmando a veracidade de tudo o que está dito ali;
  • deve conter também a autorização de uso de imagem, caso a designer queira tirar fotos do resultado do procedimento.

Mariana também exemplifica sobre a importância de a cliente avisar sobre quaisquer tipos de problema de saúde: uma cliente que tem problemas de circulação precisará se levantar, pois o procedimento vai demandar que ela fique por duas horas deitada. Se ela não avisar e isso acarretar algum problema, a culpa não será da designer — e, novamente, você terá como provar graças à ficha de anamnese.

Não sabe por onde começar? Existem várias empresas que fazem esse tipo de ficha, incluindo todas as especificações exigidas pela Lei.

Clientes grávidas podem fazer alongamento de cílios?

Não há nenhuma contraindicação. No entanto, Mariana recomenda que a designer peça à cliente para conversar com seu médico. Senão, se acontecer algum problema, ela pode cismar que foi o procedimento — mesmo que ele não faça mal algum a gestantes e puérperas.

Viu como fazer mapping de cílios? Pronta para criar sua ficha de anamnese? Então, vamos aprender colocando tudo em prática: conheça agora o curso Alongamento de cílios fio a fio, com a expert Mariana Bachi!

Receba nossas dicas e conteúdos gratuitos diretamente em seu e-mail!




    Fale o que você pensa

    O seu endereço de e-mail não será publicado.