profissionalizar-negocio-em-artesanato

Descubra como profissionalizar seu negócio em artesanato!

Chega uma hora que profissionalizar seu negócio em artesanato se torna uma urgência para a evolução do trabalho das artesãs.

Será que você está passando por isso?

Seja logo no começo da empreitada ou um tempo depois, é normal você se deparar com certos entraves para lidar com a gestão do negócio, finanças, divulgação, vendas e outras atividades.

Até porque o que as artesãs dominam mesmo é a arte de criar e botar a mão na massa, não é verdade?

Porém, não dá para fugir dessas outras tarefas, pois elas são fundamentais para impulsionar seu trabalho e ajudar você a ganhar dinheiro com o que ama.

Que tal uma mãozinha? Confira a seguir as sugestões da nossa equipe para você tocar sua marca como uma verdadeira empreendedora!

profissionalizar-negocio-em-artesanato-1

6 práticas para quem deseja profissionalizar o negócio em artesanato

A gente resolveu separar as dicas em tópicos para organizar as ideias. Mas isso não quer dizer que as práticas devam ser adotadas em uma única ordem ou não estejam relacionadas, ok?

Elas precisam ser frequentemente revistas, já que, como qualquer empresa, o seu negócio é um organismo vivo. Portanto, está o tempo todo se transformando.

Tendo isso em mente, vamos começar!

1. Faça um planejamento cuidadoso

Muitas pessoas criam uma relação próxima com os trabalhos manuais desde cedo, mas profissionalizar um negócio em artesanato é outra história.

Não basta só identificar o que você gosta de fazer. Para transformar uma ideia em fonte de renda é preciso planejar.

Embora as dúvidas e medos façam parte do processo, usar algumas ferramentas básicas de planejamento vai te dar mais confiança para tirar o seu sonho do papel.

Confira a seguir quais são os pontos principais do planejamento:

Propósito e objetivo do negócio

Faça uma reflexão profunda sobre os motivos pelos quais você deseja ter sua marca de artesanato e onde pretende chegar.

Afinal de contas, cada artesã tem um objetivo diferente, que pode ser, por exemplo:

  • ter um trabalho que dá prazer;
  • sentir-se realizada profissional e pessoalmente;
  • conseguir uma fonte de renda extra;
  • mudar de carreira;
  • ter mais liberdade e uma rotina mais flexível;
  • expressar-se por meio da arte.

Descobrir o propósito do seu negócio, ou seja, por que você quer começar essa jornada empreendedora é fundamental para os próximos passos.

Marca

Você também precisa escolher um nome e uma identidade para a sua marca de artesanato.

Tanto na hora de criar o nome quanto o logo, leve em conta os conceitos ligados ao seu trabalho, seu estilo e visão de mundo. Ou seja, que impressão você quer passar com a sua marca.

Já que a nossa proposta aqui é profissionalizar os negócios em artesanato, fazer o registro da sua marca é outro ponto importante. Assim, você não corre o risco de perdê-la ou de ter que lidar com questões jurídicas no futuro.

Diferencial

O que faz o seu trabalho ser diferente dos outros? Quais são as características que fazem as pessoas se atraírem pelas suas peças?

Esses são alguns exemplos de perguntas que você deve se fazer para descobrir qual é o diferencial do seu negócio.

Tal diferencial pode estar, por exemplo, na qualidade dos acabamentos, na criação de peças inovadoras, no uso de materiais e processos sustentáveis, etc.

Nicho de mercado e público-alvo

Além de produzir, você precisa saber para quem vender as suas peças. Isso vai depender, é claro, do tipo de artesanato que você faz.

Um passo importante é escolher um nicho de mercado, ou seja, um público específico que possui necessidades que você gostaria de atender. Afinal, querer atender muitos segmentos diferentes ao mesmo tempo não costuma dar certo. 

Estrutura de trabalho

O esquema de trabalho também precisa ser planejado. No começo, a maioria das artesãs trabalha em casa, mas isso não quer dizer que a estrutura não precise ser pensada.

Isso porque separar um espaço físico onde você possa se dedicar ao artesanato, armazenar os materiais e estocar produtos adequadamente é importante.

2. Aprenda a cuidar das finanças

Lidar com a parte financeira costuma ser uma das maiores dificuldades enfrentadas pelas artesãs quando se trata de profissionalizar o negócio em artesanato.

Mas fique sabendo que não é nenhum bicho de 7 cabeças.

Quando antes você aprender a cuidar das finanças, melhor! É um conhecimento que vai alimentar sua perspectiva de crescimento. Já pensou se tornar referência no seu nicho de mercado?

Formalização

Para isso, um passo importante é formalizar o negócio e se tornar um microempreendedor individual (MEI).

O MEI é uma ótima solução para os novos empreendedores terem um CNPJ e poderem emitir notas fiscais. Além de ter menos burocracia, os tributos são mais baixos e você passa a ter acesso a crédito com menores taxas de juros. Além disso, pode conseguir preços melhores na compra de materiais.

Controle de gastos

Anote absolutamente todos os gastos necessários para o negócio funcionar. Isso inclui, por exemplo, a compra de embalagens, etiquetas, gasolina, tinta para impressora, entre outros.

Leve em conta também os gastos com luz, internet e água. Só tome cuidado para não misturar seus gastos pessoais com os do negócio, sobretudo se você trabalha em casa.

Otimização de custos

Com o passar o tempo, otimizar os custos da produção deve fazer parte dos seus objetivos. Dessa forma, você consegue aumentar o lucro e o seu salário quando as vendas decolarem.

Porém, é preciso ter o cuidado de manter seus processos artesanais ao escalar a produção, ok?

Entre as melhores maneiras de otimizar os custos de produção estão o bom controle de estoque e a busca por fornecedores com preços mais atrativos.

profissionalizar-negocio-em-artesanato

3. Precifique as peças de forma adequada

Embora a precificação costume ser outra dificuldade na vida das artesãs, ela precisa ser levada a sério. Afinal, o preço de venda tem a ver com a competitividade das suas peças no mercado.

profissionalizar-negócio-de-artesnanato-calculadora-de-precos

Mas como calcular os preços do jeito certo?

A eduK criou uma calculadora de precificação de artesanato gratuita para facilitar a sua vida. Você só precisa preencher os campos com as seguintes informações:

Despesas fixas

O valor das despesas fixas corresponde à soma de todas as despesas mensais que precisam ser pagas mesmo que nenhuma peça seja produzida.

De novo, lembre-se de separar as contas pessoais das despesas do negócio. Uma sugestão para quem trabalha em casa é dividir os gastos mensais com água, luz e internet por dois.

Valor da sua hora de trabalho

A sua mão de obra faz parte dos custos de produção. Por isso, as horas trabalhadas precisam ser levadas em conta na precificação.

Você precisa fazer uma projeção de salário com base nas suas despesas pessoais para descobrir o quanto você vai receber por cada hora trabalhada.

Vale ressaltar que, pelo menos no início, o salário não pode ser muito alto. Isso porque ele aumenta os custos de produto, fazendo o seu preço de venda ser pouco competitivo.

Investimento para confecção da peça

Os custos de material e o tempo de produção gasto com cada peça jamais podem ficar de fora da composição dos preços.

E é importante incluir tudo, independentemente do valor.

Alguns são mais fáceis de serem calculados, como a quantidade de tecido, por exemplo. Basta você pegar o valor do metro e calcular o quanto foi gasto de acordo com o tamanho usado.

Por outro lado, existem aqueles que não mais complicados, como no caso da linha de costura, cola, tintas, etc. A saída é criar uma média do quanto é usado na produção de cada peça e o incluir o valor correspondente.

Margem de lucro

O lucro é a quantidade de dinheiro que fica guardada para o negócio. Quando for preciso fazer um investimento ou aparecer uma emergência, você pode contar com essa reserva.

Essa é uma forma de profissionalizar seu negócio em artesanato, já que esse dinheiro ajuda a fazer o seu empreendimento crescer.

Para os artesãos, o indicado é trabalhar com uma margem de lucro entre 10% e 30%. Essa porcentagem deve ser ajustada conforme a fase do negócio.

Se ela for muito baixa, você corre o risco de não ter uma reserva quando precisar. Se ela for muito alta, o seu preço de venda pode ser pouco competitivo. Portanto, é sempre preciso adequar a margem de lucro a cada momento.

4. Divulgue sua marca de artesanato

Para conseguir alavancar suas vendas, investir na divulgação dos seus produtos artesanais é extremamente importante.

Você precisa apresentar a cara da sua marca, divulgar as suas peças e, se possível, mostrar como é seu processo de produção. Isso tudo ajuda as pessoas a entenderem a essência do seu negócio.

A seguir, vamos falar sobre alguns tópicos que precisam de mais cuidados:

Conceito de marca

Lembra que falamos sobre a criação da marca no tópico sobre planejamento? Então, na divulgação, o objetivo é transmitir o conceito e os valores da marca para criar empatia no público.

Isso por ser feito a partir do uso de elementos da identidade visual – logo, cores, fontes e formas – no cartão de visita, embalagens e posts nas redes sociais.

E também por meio de uma linguagem que tenha a cara da sua marca e com a qual o público se identifique.

Qualidade das fotos

Quanto melhor for a qualidade das suas fotos mais as pessoas vão se interessar pelas suas peças.

Por isso, vale a pena contar com um celular com uma câmera boa. O ideal é que as fotos tenham uma boa resolução, explorem ângulos diferentes, mostrem detalhes da peça e sugestões de uso.

Redes sociais

As redes sociais funcionam como ótimas vitrines para o seu trabalho. Portanto, use e abuse de redes como o Instagram, Pinterest e Facebook.

Você pode tanto divulgar as peças quanto produzir conteúdos interessantes para o seu nicho de mercado. Isso ajuda a atrair atenção para o seu negócio.

Além disso, as redes sociais são ótimos canais para você conversar e interagir com o seu público.

5. Explore diversos tipos de venda

Hoje existem vários canais bacanas para as artesãs venderem seus produtos.

Vender artesanato pelas redes sociais é algo que tem funcionado bem. Por permitir um contato próximo, muitas pessoas acham mais prático fazer pedidos e encomendas por meio delas.

Outra opção é ter um site próprio para ser sua lojinha virtual ou vender em um marketplace, como o Elo7, que é especializado em produtos artesanais de diversos nichos.

As vantagens oferecidas pelas lojas virtuais e os marketplaces são várias.

Em primeiro lugar, você economiza tempo no atendimento. Isso porque as informações estão todas disponíveis na página do produto e o processo de compra pode ser concluído em poucos cliques.

Além disso, fica muito mais fácil escalar suas vendas. Ou seja, se a demanda começar a aumentar, basta você alimentar a loja virtual com novas peças, enquanto o sistema cuida do cadastro de clientes, cálculo de frete, pagamentos.

Outro ponto importante é a segurança garantida nas transações financeiras. Por processarem os pagamentos por meio de grandes empresas especializadas, não gera desconfiança e riscos para os clientes.

Falando em pagamento, aqui vai um alerta: no caso das encomendas, solicite o pagamento de parte do valor – que cubra o custo dos materiais – para evitar prejuízos. Não tem coisa pior do que produzir uma peça e o cliente desistir da compra, não é?

Por fim, tente oferecer várias formas de pagamento para que o cliente escolha a que funciona melhor para ele. Assim, você não perde uma venda por besteira.

6. Fidelize os seus clientes

Não pense que a relação com o cliente acaba na compra. Profissionalizar seu negócio em artesanato significa ter um olhar a médio e longo prazo também.

Sendo assim, criar um relacionamento duradouro com os seus clientes é bem importante.

Por isso, ofereça um atendimento de qualidade. Não demore muito para responder, seja educada e atenciosa e tire todas as dúvidas.

Uma ótima dica é criar um cadastro de clientes. Ou seja, a cada nova venda, anote os contatos da pessoa e a data de aniversário – ocasião que você pode aproveitar para enviar uma mensagem carinhosa ou até um cupom de desconto.

Ainda, seja proativa para cultivar o relacionamento e fidelizar os seus clientes. Com a autorização deles, você pode, por exemplo, enviar newsletters e mensagens por WhatsApp para compartilhar as novidades em primeira mão.

profissionalizar-negocio-em-artesanato-02

Pronta para profissionalizar seu negócio em artesanato?

Ufa, quanta coisa é preciso aprender, não é mesmo? No começo pode parecer difícil, mas aos poucos você se familiariza esse jeito profissional de cuidar do seu negócio.

Ao ver os resultados cada vez melhores, você vai ver que todo o esforço vale a pena!

Caso você tenha dificuldade com algum dos pontos que tratamos aqui, busque aprofundar os seus conhecimentos. Nada como contar com a ajuda de outras pessoas experientes, que tenham muito para compartilhar!

Aproveite para conhecer os cursos de negócios de artesanato da eduK e aprender tudo o que falta para você viver da sua paixão!

Receba nossas dicas e conteúdos gratuitos diretamente em seu e-mail!