Artesanato e Ponto quer ouvir a sua história nesse dia 8 de março

Hoje, como em todos os outros dias do ano, é dia de respeitar a mulher que se é. Ser mulher é assumir a própria liberdade e usufruir dela. É ser doce quando se deseja ser. É ser forte pelo simples fato de existir neste mundo. É ser mãe quando se quer ser.  É ser pai algumas vezes. É ser bela ao seu modo. E ser tudo isso por você mesma.

Obrigada por construir com suas próprias mãos um mundo mais livre e belo.

Bordado moderno em bastidor das meninas do Clube do Bordado
Bordado feito pelas meninas do Clube do Bordado

Feliz 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Queremos ouvir a sua história como empreendedora, artesã, mãe, enfim, como mulher. Para inspirar você, veja os vídeos com o recado de Fernanda Lacerda, Carol Viana e de Renata Dania e Laís Souza, do Clube do Bordado.

Confira todos os vídeos no Facebook da eduK com a hashtag #AprendaComElas.

Fernanda Lacerda

Fernanda cria peças incríveis em feltro
Fernanda cria peças incríveis em feltro

A artesã e microempreendedora é tão encantadora quanto as peças em feltro que produz. Fernanda é formada em Serviço Social, com especialização em Políticas Públicas e Gestão Social, mas o amor pelo artesanato, a vontade de criar e ensinar, tomaram lugar como sua legítima profissão: artesã do feltro.

 

Carol Viana

PAP_Carol-Viana_eduK_Padovan-13Ela é apaixonada por tecidos e abdicou da carreira de sua formação para se dedicar ao sonho de ter um ateliê: o La Maria. É uma empreendedora de sucesso e sempre passa dicas infalíveis para que a sua agenda de clientes continue aumentando dia após dia! E sua paixão pela costura a ajudou a vencer a depressão e dar a volta por cima.

 

Clube do Bordado – representado por Renata Dania e Laís Souza

Bordado representa o feminino, feito pelo Clube do Bordado
Bordado moderno em bastidor feito pelo Clube do Bordado

Essas jovens mulheres encantam por transformar uma técnica antiga, o bordado, em algo moderno, inovador, surpreendente e ousado. Renata e Laís abordam a questão do feminino em seu trabalho com uma beleza e delicadeza que empoderam.

E você, qual a sua história? Divida com a gente!

Receba nossas dicas e conteúdos gratuitamente diretamente em seu e-mail!

7 Comentários

    Considero o artesanato libertador. Sempre gostei de trabalhos manuais. Sou formada em medicina veterinária e sempre gostei muito de atuar na área. No entanto, a medida que meus filhos foram nascendo, senti muita necessidade de estar por perto acompanhando seu crescimento e como veterinária estava sempre fora de casa. Em um Natal ganhei do meu marido uma máquina de costura e, através do DVD explicativo, dei meus primeiros passos no mundo da costura. Fazia bonequinhos, almofadas e assim surgiu a encomenda, de uma amiga que decora festas, para a confecção de alguns bonecos. Foi a mola propulsora! Cada trabalho que fazia, postava nas redes sociais e com isso havia cada vez mais encomendas. Neste período descobri a Eduk onde aperfeiçoei e aprendi novas técnicas e por isso a considero uma ferramenta de trabalho indispensável. Montei um ateliê ( que é o lugar que mais amo em minha casa), investi em bons equipamentos e materiais a medida que ia prosperando. Hoje já não atuo mais como veterinária mas aproveito muitas técnicas cirúrgicas para confecção dos bonequinhos ( todo conhecimento é aproveitado, nada se perde) . Mergulhei de cabeça no mundo dos tecidos, tesouras e linhas. Amo o que faço. Amo ainda mais a reação de cada pessoa que abre a caixa com a bonequinha que fiz. No artesanato encontrei meu equilíbrio. ( Janaina Cohen / Ateliê Ninna Cohen)

      Linda a sua história, Janaina! Que incrível! E obrigada por nos dar a oportunidade de contribuir com seu aperfeiçoamento. Fico torcendo por você, para que cada vez mais você se desenvolva no artesanato. E conte sempre com a gente! <3

    Impossível não se emocionar junto com elas! Sou mãe, filha, contadora (me formei em 2006, abri meu escritório…me sustentei com ele esses anos todos), mas nas surpresas da vida, minha mãe adoeceu e eu precisei me dedicar mais aos cuidados com ela. Moro com meus pais e minha filha, então sou de tudo um pouco pra eles. Com o meu distanciamento do escritório perdi muitos clientes e pelo stress do dia a dia já estava perdendo minha saúde também, até que o feltro chegou na minha vida, através da doce Fernanda Lacerda (gratidão eterna, não me canso de dizer isso à ela, sempre que posso!). Na busca de um alivio para o corpo encontrei um alívio pra alma…e o que começou como uma terapia, aos poucos se tornou complementação de renda, e hoje e minha nova “primeira profissão”. A contabilidade vai abrindo espaços para as linhas, tesouras. Sou apaixonada pelo que faço! Criei meu Ateliê Art & Afetto e junto com uma amiga (a Natale), que me acompanha também nessa luta, (somos formadas também em RH, mas nunca exercemos) hoje somos EMPREENDEDORAS no mundo do artesanato! Sou artesã, sou mulher! – Viviane Regina (Ateliê Art & Afetto) – Sorocaba/SP

      Oi Viviane, sua história é emocionante. Adoro ouvir como o artesanato pode transformar vidas! Adorei, em especial, como você tem orgulho de sua profissão, artesã, que você é empreendedora. Uma mãe e mulher forte! Parabéns, desejo muito mais sucesso a vocês no ateliê!

    Nossa muito lindo e fortalecedor ver todos esses depoimentos de mulheres tão guerreiras! Me inspiro em cada historia, em cada luta vencida. Parabéns para todas nós meninas. Bjo no coração de cada uma <3

    Parabéns a nós mulheres, desbravando nossas lutas próprias e conjuntas a cada dia! E parabéns à Eduk por esta iniciativa de mostrar em vídeos um olhar mais profundo sobre nós <3

      Acabei de assistir seu depoimento! Chorando rios aqui! Parabéns Fernanda! (hoje e sempre) – Vivi

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.