Protocolos de segurança para profissionais de beleza: descubra os cuidados que você realmente precisa ter

Você sabia que, entre as categorias de denúncias de interesse para a saúde recebidas pela Anvisa, em 2017, “embelezamento” ficou em primeiro lugar, com 66% das reclamações? O segundo lugar (tatuagem) teve apenas 7,4% das reclamações. Isso mostra como os protocolos de segurança para profissionais de beleza são importantes para os clientes, mas frequentemente ignorados pelos profissionais.

Quem está no ramo há muito tempo sabe bem da importância desses protocolos de segurança para profissionais de beleza. Afinal, o contato com o cliente é muito próximo, e a possibilidade de transmissão de doenças é alta (percebemos isso na pandemia de Covid-19). Além disso, em muitas profissões usam-se objetos compartilhados (como os pincéis) ou cortantes (como os alicates). Todo cuidado é preciso, não é verdade?

Neste post, você vai saber mais sobre protocolos de segurança para profissionais de beleza. Confira!

protocolos de segurança para profissionais de beleza limpeza

O que são esses tais protocolos de segurança para profissionais de beleza?

Nada mais é do que um conjunto de regras que profissionais de beleza precisam seguir para implementar a biossegurança em seu trabalho. 

E o que seria biossegurança? Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é a  “um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, mitigar ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam interferir ou comprometer a qualidade de vida, a saúde humana e o meio ambiente”.

Resumindo, é tudo aquilo que você faz para evitar riscos tanto para a saúde da cliente quanto para a sua. Na prática, é todo o cuidado que você tem com equipamentos de proteção individual (EPI), higienização dos aparelhos pós-uso, esterilização de alicates e eliminação de resíduos produzidos no salão.

Mas toda essa precaução não deve ser feita empiricamente. Os protocolos de segurança para profissionais de beleza obedecem às determinações da Organização Mundial de Saúde (OMS), Anvisa e Associação Brasileiras de Normas Técnicas (ABNT).

A Anvisa é a maior responsável pela fiscalização de ambientes de saúde e beleza. Ela é o órgão que vai fiscalizar se o seu salão obedece aos protocolos de segurança para profissionais de beleza. No entanto, ela pode dividir essa responsabilidade com outros órgãos, como o Corpo de Bombeiros, o Procon e o Ministério do Trabalho.

protocolos-de-seguranca-para-profissionais-de-beleza-anvisa

Licença sanitária para funcionamento

Antes de um salão abrir, ele precisa de uma licença sanitária. Ela é a prova de que o local segue todos os protocolos de segurança para profissionais de beleza. 

Para solicitá-la, você precisa de:

  • requerimento;
  • cartão de CNPJ;
  • contrato docial;
  • certificado do responsável capacitado;
  • alvará de localização;
  • atestado de regularidade do Corpo de Bombeiros;
  • Atestados de Saúde Ocupacional (ASO) dos funcionários;
  • declaração de responsabilidade pelas declarações.

Quais são os protocolos de segurança para profissionais de beleza?

Agora é hora de conferir quais os protocolos você deve adotar em um salão. Caso você seja autônoma, tente adaptá-las ao seu trabalho para oferecer mais segurança à cliente:

Recepção

  • higienização frequente dos materiais e aparelhos do escritório;
  • higienização da máquina de cartão de crédito entre um uso e outro. Sempre dê preferência para que o próprio cliente manuseie o cartão;
  • limpeza e desinfecção do balcão e dos móveis a cada atendimento ou uso;
  • pagamentos em espécie pedem atenção redobrada com a higienização das mãos.

Estrutura

  • a ventilação de ar deve ser preferencialmente natural. Caso tenha ar-condicionado, limpe os filtros do aparelho periodicamente;
  • sempre que possível, deixe portas e janelas abertas para evitar toque na maçaneta;
  • aumente a frequência de limpeza do chão com água sanitária diluída em água;
  • retire tapetes, capachos, quadros, adornos e plantas para facilitar a higienização;
  • aumente a frequência de higienização de puxadores, maçanetas, interruptores, corrimões e espelhos;
  • limpe e desinfete bancadas, sofás, cadeiras e lavatórios a cada troca de cliente.

Clientes

  • durante o período de distanciamento social, oriente seus clientes a não levarem acompanhantes ou animais de estimação;
  • divulgue que os atendimentos serão feitos exclusivamente com agendamento, para evitar filas de espera;
  • indique locais para lavagem de mãos e uso de álcool em gel;
  • oriente para que ele evite ao máximo o uso do celular.

Equipe

  • oriente a equipe a lavar as mãos entre cada atendimento e a ter uma embalagem de álcool em gel própria;
  • uso de máscaras descartáveis é obrigatório, com troca a cada 3h (exceto as PFF2, que podem ser usadas por períodos mais longos e reutilizadas 3 dias depois);
  • uso e lavagem diária da farda branca. Propés e jalecos de TNT descartáveis também devem constar nos EPI;
  • cabelo preso, touca descartável e unhas cortadas;
  • uso de luvas não substitui a lavagem de mãos;
  • não permita o compartilhamento de itens pessoais;
  • proíba o uso de adornos;
  • oriente a evitar o uso de celular dentro do salão.

Copa

  • evite o consumo de delivery;
  • organize escala para almoço e lanches. Assim, evita filas;
  • higienize equipamentos de uso comum;
  • não permita o compartilhamento de talhes e itens de uso pessoal.

protocolos-de-seguranca-para-profissionais-de-beleza

Quais as diferenças entre higienização, desinfecção e esterilização?

Entender os protocolos de segurança para profissionais de beleza significar conhecer bem todos os termos envolvidos na assepsia. Isso significa que você não pode confundir limpeza, desinfecção e esterilização, que são conceitos bastante diferentes.

Higienização ou limpeza

É o processo em que se usa um agente detergente para inativar os micro-organismos. Isso significa que eles não necessariamente serão eliminados.

Desinfecção

É o processo realizado com uso de agente desinfetante, que elimina grande parte dos micro-organismos vivos de acordo com o tipo de desinfetante e tempo de exposição.

As duas mais comuns têm baixo custo e são muito eficientes:

  • álcool 70: o produto ganhou força com a pandemia de Covid, mas sempre foi muito usado em ambientes de saúde e beleza. Ágil e eficiente, não deixa resíduos nem superfície molhada. É ideal para pequenos equipamentos, pois a evaporação rápida dificulta o tempo de contato em grandes objetos;
  • água sanitária: a solução clorada exige mais atenção na sua administração — afinal, ela é concentrada, portanto precisa ser diluída. Tome cuidado também com o tempo de exposição. Não misture a água sanitária com outros produtos e deixe-a armazenada longe da luz.

Esterilização

É a eliminação completa de todos os micro-organismos presentes em uma superfície, desde que submetida a uma determinada pressão e tempo. Em um salão de beleza, a única forma de esterilizar é usando uma autoclave — um aparelho, semelhante a um forno, que age por meio do calor úmido sob pressão.

Todo salão precisa esterilizar? Não, apenas os que trabalham com manicure e esmalteria. Nesse caso, não é possível que a autoclave fique “solta” pelo ambiente — é preciso ter um ambiente de esterilização! Então, o aparelho precisa estar protegido por uma divisória ou porta que possa separá-lo do resto do local.

Em um primeiro momento, pode parecer bobagem. Mas quando você conversar com uma cliente que entende de protocolos de segurança e disser que “esterilizou” o alicate em vez de “higienizou”, vai deixá-la muito mais tranquila.

É importante saber que uma função não anula a outra. No geral, a profissional de beleza precisa higienizar. Mas produtos de uso coletivo e/ou que envolvam sangue precisarão ser higienizados, desinfectados e, em seguida, esterilizados.

protocolos de segurança para profissionais de beleza autoclave

Quais as diferenças entre EPI e EPC?

Quando falamos de protocolos de segurança para profissionais de beleza, citamos bastante os EPI. Mas os EPC também são essenciais para a manutenção de um ambiente de trabalho seguro.

Equipamentos de proteção individual (EPI) são os dispositivos e produtos dados pelo empregador para proteger o empregado durante o exercício de sua profissão. Como o nome indica, o EPI é sempre de produto de uso individual. Avental, óculos, luvas, máscara, sapatos adequados e touca são exemplos desse tipo de recurso.

Já os equipamentos de proteção coletiva (EPC) são usados para a proteção de um grupo ao mesmo tempo, destinados à proteção do trabalhador a riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. Como exemplos, ventilação, capela química, extintores de incêndio, tela de proteção e até música ambiente.

protocolos de segurança para profissionais de beleza EPI

Entendeu como funcionam os protocolos de segurança? E se você quiser virar uma expert no assunto, que tal assistir às aulas dadas por uma especialista que, além de ter 30 anos de experiência em beleza, ainda participou do integrou o Comitê da ABNT para salões de beleza?

Confira o curso Protocolos de segurança e cuidados nos serviços de beleza, com Fabiana Gondim Gimenez!

Receba nossas dicas e conteúdos gratuitos diretamente em seu e-mail!




    Fale o que você pensa

    O seu endereço de e-mail não será publicado.