8 dicas de organização financeira para profissionais de beleza!

Você sabia que o Brasil continua sendo um mercado promissor para o setor de beleza — mantém-se como o 4º principal mercado do mundo no segmento? Além disso, os produtos de beleza e cuidados pessoais foram os mais comprados online em 2020. Mas mesmo com o crescimento do setor, a organização financeira para profissionais de beleza é fundamental. Sabendo administrar seu dinheiro, você vai ver seu negócio crescer com mais estabilidade e de maneira constante.

Ter um salão é um sonho que pode virar realidade. Para fazer uma boa administração, é preciso saber lidar com o dinheiro. Então, confira nossas 8 dicas agora!

organizacao-financeira-profissionais-beleza-1

1. Não misture a conta pessoal com a profissional

Quando se é uma profissional autônoma, é muito mais fácil usar a conta pessoal para guardar todo o dinheiro do salão. Mas o ideal é que sua empresa tenha uma conta jurídica, específica para ela.

Dessa forma, você fará todas as entradas e saídas do negócio em uma conta separada, evitando confusões entre o que é seu dinheiro e o que é do salão.

E como a profissional independente poderá usufruir do dinheiro que ganhou? Aliás, como determinar o que é dela e o que é do salão? Você vai saber no próximo tópico!

2. Tenha um salário

Uma parte importante na organização financeira para profissionais de beleza é definir o salário entre os ganhos da empresa. Isso independe se você trabalha sozinha ou com um salão próprio, porque acaba evitando dois problemas:

  • usar o dinheiro todo e deixar o negócio com o caixa vazio;
  • gastar tudo com o salão e ficar sem seu dinheiro no final do mês.

Portanto, separe seu salário. Ele deve ser justo com relação a seu cargo, mas sem comprometer as finanças da empresa. Além disso, nunca pague uma conta do salão com o seu dinheiro ou ao contrário. Afinal, você batalhou o mês inteiro para mantê-lo em ordem e merece ser recompensada pelo seu trabalho.

3. Saiba o quanto gasta para oferecer um produto ou serviço

No início de um negócio, é normal ter dúvidas sobre como calcular o preço de seu serviço. Mas ele deve ser um reflexo do investimento que você faz para ser uma excelente profissional e, claro, precisa caber no bolso do seu potencial cliente.

Então, na hora de precificar, leve em conta:

  • investimento em cursos, workshops e tudo o que você usou para se capacitar;
  • contas de luz, aluguel, água e internet (caso tenha salão);
  • o preço de todos os materiais utilizados no processo;
  • relação demanda e oferta;
  • experiência no trabalho;
  • região de atendimento.

4. Pense no tipo de atendimento que fará

Você será uma profissional que atende em espaço próprio, em casa, vai até à residência da cliente ou trabalhará em um salão como funcionária? O que estamos falando aqui vai ser essencial independentemente do tipo de profissão ou forma de trabalho que exerça, mas cada tipo de atendimento exige um investimento diferente.

Uma profissional que atende na residência da cliente, por exemplo, terá que providenciar seus equipamentos em tamanho menor, além de uma bolsa ou carrinho para transporte. Já aquela que deseja ter um salão próprio vai ter de arcar com equipamentos no tamanho maior, além de cadeiras, espelhos, computador, funcionária para atendimento e toda a estrutura do local. Por fim, também precisa lidar com as contas de aluguel, água, luz e internet.

E por que é importante ter essa noção? Para que você possa investir seu dinheiro de maneira mais correta.

Por exemplo: uma profissional junta um bom dinheiro e acha que pode abrir um salão, mas quando faz os cálculos, descobre que ainda não conseguiu o suficiente. Então, ela investe em equipamentos melhores e atende em casa mesmo. Enquanto isso, vai fazendo uma reserva para dar entrada no aluguel.

5. Tenha um fundo de reserva

Crises econômicas mostram que estabilidade profissional é muito difícil de ser alcançada. Alguma turbulência pode acontecer e, infelizmente, serviços como cabelo e manicure acabam sendo cortados pelos clientes. Por isso, a ter a sua parte financeira organizada é tão importante: caso aconteça alguma coisa que gere prejuízo aos negócios, você consegue segurar as pontas.

O fundo de reserva também vai ajudar você a pagar financiamentos e empréstimos com muito mais rapidez. Para fazer o seu, reserve pelo menos 10% de todas as entradas do seu salão exclusivamente para esse fundo.

6. Controle receitas, custos e despesas

Algo fundamental em organização financeira para profissionais de beleza é fazer a gestão de suas receitas (o que você recebe), custos e despesas (o que você gasta, direta e indiretamente, com seus serviços).

Vamos ver detalhadamente como funciona:

Entradas x saídas

A receita total do negócio deve levar em consideração os serviços e produtos oferecidos, além dos preços e quantidades vendidas no mês. Para isso, siga o passo a passo:

  • faça uma tabela com todos os produtos e serviços que você fornece, com seus respectivos preços. Fica muito mais fácil para você ou para o profissional responsável ter um controle;
  • anote a quantidade de cada produto ou serviço vendido durante o mês. Esse controle é essencial para que você monitore o desempenho do seu salão ou trabalho durante o ano;
  • faça o somatório da sua receita do mês.

E os gastos? Eles se dividem entre custos e despesas.

Custos referem-se aos gastos que você tem diretamente com o serviço. O xampu, a tintura, o esmalte e a profissional que faz cada um desses serviços são custos.

Já as despesas são aqueles gastos que não estão relacionados diretamente à atividade-fim, mas também são importantes. Contas de aluguel, luz, internet e transporte para ir à casa da cliente são alguns exemplos.

Da mesma forma, você deve fazer o cálculo de todos os custos e despesas do mês. Lembre-se também dos impostos, que se diferem entre microempreendedores individuais (MEI) e empresas optantes pelo Simples Nacional.

Depois, é só extraí-los das receitas para saber qual foi o lucro do salão (ou seu) no mês.

    7. Faça uma reserva de depreciação

    Depreciação é a desvalorização que um produto sofre com o decorrer do tempo. Por exemplo: aquela cadeira supermoderna que você compra já perde o valor original assim que sai da loja. Isso é algo normal, que ocorre com quase todos os itens comprados. Para um salão, ter uma reserva separada para depreciação é fundamental para trocar seus equipamentos sem afetar o caixa.

    Para as empresas com sistema tributário enquadrado no Simples Nacional, a depreciação é considerada uma poupança. Ela será responsável pela futura compra de equipamentos, quando necessário.

    Quem deseja aprender a organizar as finanças do seu negócio precisa calcular a depreciação de um item. É só fazer a conta:

    Valor gasto com um equipamento
    ———————————————
    Tempo de vida útil (em meses)

    8. Use um software de gestão

    De aplicativos a sistemas robustos, existem diversos programas que podem ajudar nessa tarefa.

    Para quem está começando a se organizar, vamos dar os primeiros passos com aplicativos. Conheça alguns:

    Viu como é possível fazer sua organização financeira? Mas isso é apenas o começo. Há uma série de segredos que você pode aprender para manter sua empresa sempre no azul!

    Pensando nisso, a eduK preparou o curso Organização financeira para profissionais de beleza. Ele conta com tudo o que você precisa para melhorar a gestão do seu negócio. Entre no site e comece sua profissionalização!

    Receba nossas dicas e conteúdos gratuitos diretamente em seu e-mail!